Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2013

A alegria dentro do copo.

A porta está trancada, como sempre. Mas a janela está aberta. A janela do quarto, a janela do mundo, a janela de mim. Ela mostra as luzes dessa cidade brilhando, feito estrelas sob esse céu encoberto por nuvens. A melodia de diferentes músicas seduzindo em um convite para o corpo se mover. Uma bebida gelada que desça quente, despertando sentidos adormecidos, aflorando desejos ocultos, fendas secretas.
Tem um gato pulando pelos telhados, desbravando novos lugares, olhos lascivos, ludibriados pelos mistérios do luar. A noite aguça os instintos, todo mundo se torna meio animal ao anoitecer...

Seu cansaço...

E você continua aceitando. Embora continue não compreendendo nada. Em um dado momento as respostas se tornam desnecessárias e a única coisa que te resta é o desejo do fim. Por que as chegadas não causam mais euforia, deram lugar ao cansaço. O cansaço das horas esperadas que nunca foram recompensadas. O cansaço de um sorriso que nunca chegou aos olhos. O cansaço do abraço que não envolve mais que braços. O cansaço desse grito preso na sua garganta. O cansaço daquilo que você simplesmente não pode dizer. O cansaço de estar sempre desculpando coisas que você sabe que vão se repetir. O cansaço da saudade daquilo que era doce e se tornou amargo. O cansaço de sentir tanta falta de você mesma. O cansaço de não conseguir parar de pensar naquilo que não pode mais ser modificado. O cansaço de não conseguir se fazer entender. O cansaço da busca por preencher um buraco sem fundo. O cansaço do seu relógio sempre atrasado. O cansaço das repetições que não levam a lugar algum. O cansaço de estar ca…

Desajustada, demasiado desajustada

O telefone está tocando de novo. Eu não preciso olhar pra saber que é você. É você me dizendo mais uma vez o quanto eu sou insensível, que eu passo essa imagem de delicadeza e necessidade de cuidado, mas na verdade eu sou fria, dura e má, que eu abro a porta e encanto só pra depois batê-la na cara das pessoas e dizer que não podem entrar. Que embora eu abrace de forma tão doce que parece que eu preciso de colo eu entro na sua casa pedindo pra você deixar a porta aberta por que eu estou sempre pronta para partir. E é isso que a maioria das pessoas dizem que eu sou, partida. Até as minhas palavras, elas fogem da minha boca quando eu falo, ficam pela metade assim como eu. Eu quero dizer logo e eu quero me entendam logo para que eu possa ir embora mais rápido.
Mas eu sou desastrada e tropeço nas minhas palavras tanto quanto eu tropeço com os meus pés, vivo tropeçando em tudo, batendo em tudo, deixando cair e na minha pressa às vezes nem paro para pegar, vou deixando pedacinhos pra trás. …

Meu lado esquerdo

Velhas pastas guardando velhas ideias na gaveta

Abro uma a uma procurando por mim

Por algo que ainda sirva

Mas esses versos já não me pertencem

As mãos que os fizeram acreditavam

Em coisas que esse coração já não detém
Não tenho fé nas palavras que outrora juntei

O calor dessas linhas seguiu uma estrada difusa

Derreteu-se em ácido

Solidificou-se em veneno

Da doçura muito pouco permanece
Me foi revogada a miragem ideal

Minha utopia é mais profunda agora

Dilatam meus olhos os mundos além
Buscando me ter enfim

Na liberdade de poder partir sempre que preciso

E voltar apenas quando necessário...