Alice in NEVERLAND

Ela rodou a cidade em cada noite do inverno de 2009, sentou com os bêbados e desesperançados, conheceu histórias e dores de estranhos e amenizou com os mais inesperados abraços as suas próprias. Ela não voltou antes do dia amanhecer. Ela tocou o fogo que jurou nunca por às mãos, se permitiu quebrar as regras e os outros por estar quebrada. Ela se acostumou á saudade corroendo tudo que era bom com o tempo. Ela procurou inutilmente não ser aquela que sempre precisa ir embora. Ela cobrou por erros que não foram cometidos por quem ela cobrou. Ela cobrou caro. Ela choveu em plena seca em calçadas que nunca quis pisar, sentiu os pés cederem atrás de cada dose de entendimento. Parte dela nunca mais voltou... Ela se perdeu por inteiro por não saber ser metade...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carta ao meu eu de 30 anos

Eu que não falo de amor

"A gente que ia buscar o dia"