Carta ao meu eu de 30 anos

Olá, tudo bem? Espero que você esteja bem, realmente bem, não daquele tipo que a gente só diz que está bem para evitar explicar os porquês (aliás espero que você tenha aprendido a usar eles melhor).

Aqui do passado eu confesso que estou mandando minhas melhores energias pros seus 30 anos, os 24 não foram fáceis e os 25 definitivamente não começaram bem, mas foi importante passar por aquele tipo de coisa que você nunca quis passar, porque era tudo que você precisava.

Espero que as feridas tenham se fechado até aí e que você nunca olhe pras suas cicatrizes com arrependimentos, você as ganhou porque se abriu e permitiu sentir como há muito tempo não fazia. E eu realmente espero que você aprenda a fazer isso de novo, porque agora você está entrando naquela anestesia de sentimento que você conhece muito bem. Você não está sentindo nada.

Tenho algumas instruções importantes pro caso de alguém tentar te fazer esquecer de quem você é (sua memória que sempre foi tão boa tem te deixado muito na mão ultimamente).

Pra começar quero dizer pra você não cortar franjinha (você sabe que não fica bem em você). Compre outro all star roxo, você fica mais segura com algo roxo nos pés (eu não faço a menor ideia do porquê). Não tenha vergonha das músicas que você gosta e nunca pense que elas são ruins, elas fazem parte da sua história, continue as escutando com propriedade por mais que te digam que seu gosto musical vai melhorar com o tempo, some ao invés de subtrair.

Ainda sobre gosto musical, aprenda a respeitar o gosto alheio e não fale mal de nenhuma música, gosto não é algo discutível. Aliás volte a ser alguém que não fale tanto, dos 22 aos 24 você falou bem mais do que devia, escute mais como você costumava fazer aos 19, você sabe que tem coisas que não precisam ser ditas, e que as vezes não importa o quanto você diga você nunca vai ser entendida, então deixa eles imaginarem o quiserem, não se explique.

Beba devagar, ame devagar, ande devagar, não se preocupe tanto com o tempo e com o que você "perdeu", você já leu em algum lugar que a gente só perde o que nunca foi nosso, e isso é totalmente verdade, porque aonde você for amada e querida sempre haverá um lugar pra você. E se o seu apreço não for correspondido, guarde um lugar bom pra ele dentro de você e siga em frente sem falar sobre, guarde apenas para você.

Não tenha medo de ir embora quando precisar. Aprenda a diferença entre ter e possuir, deixe ir (não se deixe pra depois), viva o agora, ele é tudo que você tem e tudo que você sempre vai ter. Te deixo o meu bilhete futuro com meus melhores desejos e vou ali no agora, eu não sei se chegarei aí, mas se eu chegar queria deixar garantido que você não se esqueceria disso. Viva bem, apenas VIVA!

Com amor, Você.


Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. "Não tenha vergonha das músicas que você gosta e nunca pense que elas são ruins, elas fazem parte da sua história, continue as escutando com propriedade por mais que te digam que seu gosto musical vai melhorar com o tempo, some ao invés de subtrair". Me identifiquei com esse trecho profundamente. Aos 24, 25 anos tinha vergonha do que eu ouvia entre os 11 e os 19 anos. Hoje aos 30 eu consigo valorizar tudo já ouvi nesses 30 anos e não me envergonho. Como já afirmei aqui antes, estou nos 30 anos e ainda peco no uso dos porquês, desejo-lhe sorte nisso. Gostei muito do seu texto e os tênis roxos são mesmo lindos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que se identificou ^^ muito obrigada...

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Eu que não falo de amor

Um brinde para nunca crescer!