COMO EU ERA ANTES DE VOCÊ

Eu nunca acreditei em predestinação, nunca fui de ter fé, na verdade meu pessimismo sempre ultrapassou todas as possíveis expectativas que eu poderia criar. Eu sempre acreditei piamente que as coisas tem tudo para dar errado o tempo todo. Acho mais fácil acreditar em probabilidades negativas, depois de um tempo(após muitas tentativas frustradas)a gente se acostuma. É tão triste perceber o quanto podemos nos acostumar com coisas ruins a ponto de acharmos que não merecemos nada além de um lugar vazio numa sala lotada. 

Vez por outra eu sempre me pegava pensando no livro As vantagens de ser invisível e na épica frase "nós aceitamos o amor que achamos que merecemos". Eu nunca me vi como merecedora de um amor daqueles que parecem que foram feitos pra acalmar o coração, que as pessoas se fazem bem mutuamente e que a reciprocidade de sentimento leva as coisas à darem certo mesmo contra todas as circunstâncias por que as pessoas querem a mesma coisa. Nunca pareceu palpável, nunca pareceu que era pra mim (sempre destinada as paixões avassaladoras com fins trágicos).

Nunca apareceu...

Até que um dia, distraída e desistente, no lugar mais improvável pra se encontrar conforto, eu encontrei. Encontrei no vermelho escuro da roupa que envolveu meus braços e requereu proximidade. Pareceu uma cena de filme, poderia ter tocado Heroes do David Bowie na volta pra casa, pareceu tudo conspirar, como se cada momento estivesse rodando num cronômetro esperando o clic. Épico, eu senti. Épico, me abraçar. Épico, sem medo.

E surpreendentemente eu me vejo trocando o Netflix sozinha por praça e companhia em pleno domingo. Eu me vejo tomando banhos quentes (ao invés dos habituais frios) que me lembrem o aconchego pacifico das mãos que se tornaram rotina segurando firmes as minhas (não importando o lugar). Me vejo estando lá sendo dócil e rindo das piadas que nunca fizeram sentido. Agora fazem. E eu nunca quis merecer tanto algo como eu quero agora. Eu quero te merecer! Eu quero me esquecer o quanto eu já fui amarga antes de você...




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carta ao meu eu de 30 anos

Eu que não falo de amor

"A gente que ia buscar o dia"